Entrevistas de JoaQuim Gouveia

23
Nov 13

 

“UM POR TODOS E TODOS POR UM”

 

O Dr. Arnaldo Marques da Silva é um reconhecido advogado de Palmela. Homem ligado ao movimento associativo da vila já plantou várias árvores e diz que apenas lhe falta escrever o livro para se sentir um homem plenamente realizado. Não tem uma visão filosófica do mundo que acredita que é sempre bom. É católico e isso permite-lhe acreditar, através da sua fé, que Deus é o criador. Pensa que a crise resolve-se por ela própria. Apenas teremos de esperar

 

Como foi a sua infância?

Nasci em Lisboa. Depois a minha família foi morar para o Pombal. Foi uma infância feliz e ao mesmo tempo difícil. Os meus pais foram emigrantes. Para ir para a escola tinha de ir a pé. Frequentei também alguns colégios. Fui sempre o melhor aluno na primária. Ainda hoje algumas das minhas grandes amizades foram feitas nessa altura

 

O primeiro amor…

Não houve ninguém especialmente marcante. Tinha uma relação mais de amizade com as raparigas. Quando decidi namorar, casei

 

E o primeiro emprego…

Servente de estucador nas férias, no Cacém e ganhava 95 escudos por dia, em 1970. Fui professor do ensino secundário a partir dos 18 anos

Como é a sua casa? Como a define?

É um apartamento em Palmela, de que apenas me sirvo para morar

 

O que pensa do mundo?

Não tenho do mundo uma opinião filosófica. O mundo é uma passagem. A frase «no meu tempo é que era bom» está associada a todas as gerações e não é por isso que o mundo acaba. No fundo isso significa que o mundo é sempre bom; é feito como é em cada momento pelas pessoas de cada época

 

Sente-se realizado humana e profissionalmente?

Sim. Em termos profissionais sinto-me realizado. No aspeto humano só me falta escrever um livro. Já plantei muitas árvores e uma teve um significado especial. Foi plantada em Palmela, no jardim em frente à rodoviária enquanto fui presidente do Rotáry Club desta vila

 

Como se resolve a crise?

Resolve-se com solidariedade institucional através do lema “um por todos e todos por um”. No entanto acho que a crise se vai resolver a ela própria com o tempo. É uma questão de esperarmos

 

Deus criou o Homem, ou foi o Homem quem criou Deus?

Deus criou o Homem. Sou católico. As coisas não nasceram por si próprias. Há um criador. Isso descobri através da minha fé

 

Se pudesse voltar atrás o que mudaria na sua vida?

Muito. Depende no entanto de uma série de circunstâncias. Sou daqueles que discorda dos que dizem que não mudavam nada. Isso é sinal de que as pessoas não reconhecem os seus erros nem as suas limitações

 

Que faz no presente e que projectos para o futuro?

Sou advogado e vice-presidente da Associação dos Bombeiros Voluntários de Palmela. Tenho projetos ao nível da formação profissional em Portugal e no estrangeiro e estou a escrever dois livros, um sobre direito e outro que ainda não revelo

 

CAIXA DAS PALAVRAS

 

Um destino

Paris

 

Um livro

Os Mais (Eça de Queirós)

 

Uma música

Je t‘aime moi non plus (Jane Birkin & Serge Gainsbourg)

 

Um ídolo

Eusébio

 

Um prato

Cozido à Portuguesa

 

Um conceito

Uma vez perguntaram-me o que é ser-se honesto. Respondi: aquilo que gostava de poder ser todos os dias. Noutra ocasião pediram-me que definisse solidariedade. Respondi: é na prática que  se define

 

 

publicado por Joaquim Gouveia às 04:20

Novembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10

17

24


arquivos
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO