Entrevistas de JoaQuim Gouveia

29
Jan 14

 

 

“O FUTURO É UM DIA DE CADA VEZ”

 

Carlos Branco é um associativista de corpo inteiro. É diretor de várias instituições e um impulsionador da defesa do meio ambiente e do próprio planeta. Não tem recordações da infância porque começou a trabalhar muito cedo, com apenas 13 anos. O seu primeiro amor foi o futebol e viu a estreia de Simões, no Estádio da Luz, quando tinha 6 anos. Pensa que o Homem é o animal menos inteligente e o que mais destrói entre todas as espécies. Gostava de visitar S. Tomé e Príncipe e adora ler poesia de Setúbal. O seu principal conceito é a lealdade

 

Como foi a sua infância?

Nasci em Lisboa, morei em Abrantes e vim para Setúbal, com 12 anos. Não tenho amigos de infância, pelo menos até chegar a Setúbal, perdi o contato com eles. Comecei a trabalhar muito cedo, com apenas 13 anos, pelo que não tenho recordações da minha infância. Talvez tivesse algumas brincadeiras com o meu irmão e um ou outro vizinho. Recordo-me bem, isso sim, do meu professor da instrução primária.

 

O primeiro amor…

Foi o futebol. Comecei a jogar ainda muito pequenino. Aos 6 anos vi a estreia do Simões, no Estádio da Luz, num jogo que o Benfica empatou com o Sporting, a três golos.

 

E o primeiro emprego…

Aos 13 anos como paquete num escritório em Lisboa. Ganhava 900 escudos por mês

 

Como é a sua casa? Como a define?

É uma casa normal, de família. As minhas duas filhas já casaram e fiquei a morar apenas com a minha esposa. Mas entretanto ganhámos um neto. Do meu quintal vejo o rio Sado e a serra da Arrábida e isso é maravilhoso. De resto é uma casa confortável e foi económica.

 

O que pensa do mundo?

Somos o animal menos inteligente que habita o planeta. Nenhuma outra espécie o destrói tanto como o Homem.Tento defender o mundo o máximo que posso mas não me sinto correspondido pelos outros nesse propósito. O mundo é a partilha entre o dar e o receber.

 

Sente-se realizado humana e profissionalmente?

Sim. Já conclui a minha profissão de técnico industrial e nos últimos anos fui formador e passei conhecimentos a muitos jovens. Humanamente, ao nível familiar consegui uma estabilidade educacional e no campo associativo tenho contribuído para proporcionar aos outros o que eu não tive.

 

Como se resolve a crise?

Não a provocando. Com prevenção. Não acredito nas crises. São provocadas por quem irá usufruir mais do resultado que vem a seguir. Não devemos repetir os erros do passado e controlar o que damos valor nesta vida.

 


 

Deus criou o Homem, ou foi o Homem quem criou Deus?

Alguns Homens criam um Deus próprio e só assim se explica que existam vários deuses. Não acredito em Deus, mas respeito a religião e a fé de cada um. É tudo criado por nós.

 

Se pudesse voltar atrás o que mudaria na sua vida?

Não esperava estar tão velho... mas não mudaria nada. Acho que tudo o que fiz foi ponderado, pensado e feito na altura certa. Naturalmente, hoje teria outras condições para fazer tudo o que já fiz.

 

Que faz no presente e que projectos para o futuro?

Estou reformado. Sou diretor da Federação das Colectividades do Distrito de Setúbal, da Amba e da Associação dos Bombeiros Voluntários de Setúbal. O futuro é um dia de cada vez.

 

 

(uma resposta!)

 

Um destino

S. Tomé e Príncipe

 

Um livro

Poesias de Setúbal (todos os poetas do concelho)

 

Uma música

Second silence (Simon & Garfunkel)

 

Um ídolo

Nené (Benfica)

 

Um prato

Cozido à portuguesa

 

Um conceito

Lealdade

publicado por Joaquim Gouveia às 09:15

Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12

19

26


arquivos
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO