Entrevistas de JoaQuim Gouveia

17
Out 13

 

“O PAPA FRANCISCO É UM PRESENTE DO DESTINO”

 

Sousa Pinto é um antigo autarca do município de Setúbal. Nos últimos tempos dedicou-se à escrita de livros romanceados e ao Coaching. Nasceu perto do Quartel do 11, frequentou a extinta escola do “Sousa” e a sua brincadeira preferida era jogar à bola. O seu primeiro amor aconteceu aos nove anos quando se apaixonou pela professor da 1ª classe da sala do lado. Pensa que o Papa Francisco é um presente do destino e critíca os políticos que nos últimos 20 anos fizeram o país viver acima das suas possibilidades

 

Como foi a sua infância?

Foi uma infância normal. Nasci em Setúbal, em plena baixa da cidade perto do antigo Quartel do 11. Jogava à bola todos os dias e todos dias fugiamos da polícia. Andei na antiga escola do “Sousa”, onde fiz a instrução primária. Sou filho único. Considero que tive uma infância muito feliz até porque nunca tive momentos desagradáveis

 

O primeiro amor…

Curiosamente foi aos 9 anos quando andava na 3ª classe. Um amor platónico pela professora da 1ª classe que dava aulas na sala ao lado da minha

 

E o primeiro emprego…

Fui vendedor de marcas de eletrodomésticos de alta qualidade no grupo “AC Santos”, em 1972, onde vendia a marca Toshiba, em todo o distrito e no alentejo. Já ganhava muito bem nessa altura

 

Como é a sua casa? Como a define?

É um refúgio onde me encontro e reencontro e onde ganho energias e gosto de estar a ler, a pensar, a escrever e até a passear porque é uma casa muito grande

 

O que pensa do mundo?

Está a atravessar um ciclo muito complicado. A crise financeira não explica tudo. Ela arrasta consigo uma crise de valores e de princípios norteadores. Alguma coisa vai ter de acontecer para corrigir e ordenar o pensamento humano. O Papa Francisco, não terá aparecido por acaso. É um homem com uma profunda lucidez e é um presente do destino

 

Sente-se realizado humana e profissionalmente?

Prefiro dizer que me sinto resolvido comigo mesmo. Uma pessoa realizada é uma pessoa morta que não tem mais objectivos nem metas. Gosto de ter objectivos para cumprir todos os dias. Gosto de fazer descobertas diárias

 

Como se resolve a crise?

Esta crise apareceu por artificialismo financeiro que também atingiu Portugal. Só que o nosso país também foi atingido pelo artificialismo político e social. Quer dizer que estivemos durante 20 anos a ser governados por um populismo demagógico que nos convenceu de que tínhamos condições para viver acima das nossas possibilidades, gente visivel e absolutamente preparada para conduzir os destinos dos povos sendo que algumas são até colecionadores de mestrados e doutoramentos, mas mostraram não entender nem gostar das pessoas que governaram. Tenho a certeza de que vamos dar a volta. E quem tiver dúvidas consulte a História de Portugal

 

Deus criou o Homem, ou foi o Homem quem criou Deus?

Sou católico e por isso acho que Deus criou o Homem

 

Se pudesse voltar atrás o que mudaria na sua vida?

Claro que sim. A vida é uma sucessão de escolhas. Se calhar voltaria a fazer a maioria das coisas que fiz e outras tentava emendar

 

Que faz no presente e que projectos para o futuro?

Divido o meu tempo entre a escrita e o Coaching. E é isso que quero continuar a fazer no futuro

 

CAIXA DAS PALAVRAS

 

Um destino

Veneza

 

Um livro

A Bíblia

 

Uma música

Dr. Jivago (Maurice Jarre)

 

Um ídolo

O meu avô

 

Um prato

Sardinhas assadas

 

Um conceito

Viver entre a eficiência e a eficácia

 

publicado por Joaquim Gouveia às 20:12

 

“NÃO ME ARREPENDO DE NADA DO QUE FIZ”

 

Jorge Mares é figura bem conhecida na vila de Palmela, onde nasceu em 1959. Antigo autarca do concelho é hoje técnico de proteção civil, atividade que, confessa, o atrai bastante. Brincou de forma “artesanal” nas ruas da vila e o seu primeiro amor foi uma rapariga de Azeitão, embora não esconda que era uma criança tímida. O mundo para si é como uma casa que tem que ser cuidada para não se arruinar e Deus, é um ser divino que respeita. A crise resolve-se através da preocupação em dar bem estar ao ser humano

 

Como foi a sua infância?

Acho que tive uma infância normal. Nasci em Palmela, no ano de 59. Nesse tempo as brincadeiras eram outras. Hoje é tudo electrónico. Jogávamos ao arco, ao berlinde, ao pião, tudo jogos artesanais. Na escola fui um aluno normal. Andei nas escolas do S. João, no lado masculino do ensino primário de Palmela

 

O primeiro amor…

Foi na escola secundária com uma miúda de Azeitão. Deveria ter 17 anos. Mas eu era pouco namoradeiro porque era tímido

 

E o primeiro emprego…

Foi na Sapec, em Setúbal., como especialista no fabrico de adubo. Não me recordo bem de quanto ganhava mas sei que foi um dos melhores ordenados que já auferi

Como é a sua casa? Como a define?

É uma casa confortável com tudo o que é necessário para a felicidade e bem estar. Tem uma decoração entre o moderno e o rústico. Sinto-me muito bem na minha casa

 

O que pensa do mundo?

Vejo-o neste momento como uma casa que tem o lado bom para a vida e o lado menos bom. É uma casa que se não for bem tratada pode ser arruinada e isso não nos oferece as melhores condições para lá vivermos

 

Sente-se realizado humana e profissionalmente?

Não. Sinto que ando numa procura incessante para me realizar. Ainda não atingi nem quero atingir essa meta. Tenho que fazer o meu caminho

 

Como se resolve a crise?

Resolve-se com as pessoas tendo sempre a perspectiva de que nada se pode concretizar sem que o ser humano seja a preocupação central de qualquer governo

 

Deus criou o Homem, ou foi o Homem quem criou Deus?

Acho que Deus criou o Homem mas o Homem ao longo da sua existência tem também construído os seus próprios deuses e alimentado, também, a existência desse ser divino que todos nós consideramos ser o nosso Deus

 

Se pudesse voltar atrás o que mudaria na sua vida?

Acho que não mudaria nada. Não me arrependo de nada do que fiz. Nem tudo foi bom, é certo mas, no geral não me arrependo do que sou nem do que fiz

 

Que faz no presente e que projectos para o futuro?

Sou técnico de protecção civil, actividade que muito me atrai porque o cidadão tem que se sentir seguro e a minha perspectiva é de que a sociedade só pode ter qualidade de vida se houver segurança. O futuro a Deus pertence

 

CAIXA DAS PALAVRAS

 

Um destino

Nova Iorque

 

Um livro

Padre Gabriel Malogrida. O último condenado ao Fogo da Inquisição (Daniel Pires)

 

Uma música

A vaca de fogo (Madredeus)

 

Um ídolo

Eusébio

 

Um prato

Carne de porco à alentejana

 

Um conceito

Não faças aos outros o que não queres que te façam a ti

publicado por Joaquim Gouveia às 11:31

 

“A CRISE ESTÁ A PROVOCAR UM REGRESSO AOS VALORES”

 

Helena Almeida é locutora na Rádio Sim, A paixão pela rádio começou muito cedo e, pelos vistos é para continuar vida fora ou como diz, “quero continuar a dar música às pessoas”. Nasceu em Setúbal, na rua da Brasileira, onde também nasceu a cantora lírica Luisa Tódi. Para si a crise resolve-se arregaçando as mangas e tendo ideias giras. A sua casa é um coração onde recebe o abraço dos filhos e do marido. Adora o Alentejo e pensa que o mundo está a mudar, tal como as pessoas

 

Como foi a sua infância?

Muito feliz, sempre acarinhada pelos meus pais e pela fanília. Nasci em Setúbal, na rua onde, também , nasceu a Luisa Tódi. Andei na escola primária do Bairro do Peixe Frito. Na adolescência fui a primeira rapariga a ser eleita presidente da associação de estudantes

 

O primeiro amor…

Foi no ciclo preparatório com 11 anos. Nunca fui muito namoradeira

 

E o primeiro emprego…

Na Rádio Voz de Setúbal em 1989. Na altura ganhava 19 contos

Como é a sua casa? Como a define?

É o meu refúgio depois de um dia stressante de trabalho. É como um coração em que sinto o abraço e o carinho dos meus filhos e do meu marido

 

O que pensa do mundo?

Penso que está a mudar, tal como as pessoas. A crise está a provocar como que um regresso aos valores que não são estritamente monetários, ou seja, valores como a solidariedade, a amizade e a fraternidade

 

Sente-se realizado humana e profissionalmente?

Sinto-me realizada como mulher e mãe. Tenho a família que gosto, a profissão que gosto e a vida que gosto

 

Como se resolve a crise?

Arregaçando as mangas e tendo ideias giras como é o caso deste “Gente Gira da Região”

 

Deus criou o Homem, ou foi o Homem quem criou Deus?

Deus criou o Homem, para nós percebermos que somos pecadores, que muitas vezes traímos os amigos mas, ao mesmo tempo, percebermos, também, que temos muito para dar

 

Se pudesse voltar atrás o que mudaria na sua vida?

Não mudaria nada. Todos os erros são uma aprendizagem para o futuro

 

Que faz no presente e que projectos para o futuro?

Sou locutora na Rádio Sim, uma rádio destinada a pessoas com mais de cinquenta anos e que são verdadeiras enciclopédias de vida. No futuro pretendo continuar a dar música às pessoas

 

CAIXA DAS PALAVRAS

 

Um destino

Alentejo

 

Um livro

Estoua ler a biografia da Irmã Lúcia

 

Uma música

Aguarela (toquinho)

 

Um ídolo

Não tenho

 

Um prato

Cozido à portuguesa

 

Um conceito

Amor

publicado por Joaquim Gouveia às 09:42

Outubro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

14
15
19

20
21
26

27
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
arquivos
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO