Entrevistas de JoaQuim Gouveia

26
Out 18

Foto.jpg

“NÃO NOS DEVEMOS DAR COMO UM PRODUTO ACABADO”

 

Arnaldo Alegrias é presidente do Clube Desportivo e Recreativo Águias de S. Gabriel. Alentejano de Vila Viçosa chegou à cidade de Setúbal, com treze anos de idade e por cá se fixou e se tornou homem e constituiu a sua própria família. É torneiro mecânico e dedica as suas horas livres ao associativismo tendo como lema principal a partilha sentindo prazer em ajudar quem necessita de ajuda. Pensa que existe muita gente a fazer mal ao mundo e que só depende do Homem a sua conciliação para que os tempos sejam de paz. Para si a vida deve ser vista não como um produto acabado mas uma procura constante de um futuro melhor e com mais expetativas. Adora Portugal e não dispensa um bom cozido à portuguesa.

 

Como foi a sua infância?

Nasci em Vila Viçosa e vim para Setúbal, já com 13 anos. Tive uma infância feliz passada com uma família também feliz. Brinquei bastante. Em Vila Viçosa, no largo onde está a estátua de D. João IV era o local onde jogávamos ao pião, à bola, ás escondidas e outras brincadeiras. Tenho uma irmã mais nova do que eu.

 

O primeiro amor…

Deve ter sido algum namorico de escola e talvez até já em Setúbal. Não tenho grande recordação desse facto.

 

E o primeiro emprego…

Torneiro mecânico.

 

Como é a sua casa? Como a define?

É uma habitação com quatro assoalhadas e muito tranquila, aliás, como o próprio prédio e a vizinhança. É o meu porto de abrigo que partilho com a família.


O que pensa do Mundo?

Isto está muito complicado. Não temos guerras mas temos muita gente a fazer mal ao mundo. As pessoas deveriam ver as coisas de outra forma para termos paz. Vemos países como a Venezuela, o Brasil e outros que são exemplos que nos preocupam.

 

Sente-se realizado humana e profissionalmente?

Enquanto cá andamos não nos devemos dar como produto acabado. Deveremos querer um futuro melhor e com mais expectativas. No fundo enquanto houver saúde temos que continuar a lutar por uma vida melhor.

 

Como se resolve a crise?

Mudando a mentalidade dos políticos que nos governam tanto no país como na Europa e no mundo. Ainda vemos algumas ditaduras. Compete aos políticos mudar de mentalidade.

 

Foto jovem.jpg

 

Deus criou o Homem, ou foi o Homem quem criou Deus?

Toda a vida fui católico e ensinaram-me desde muito jovem que existiu alguém que nos criou. Não sei se foi Deus, mas terá sido alguma energia superior a nós próprios.

 

Se pudesse voltar atrás o que mudaria na sua vida?

Julgo que não teria grandes motivos para mudar algo. Quero continuar a poder ajudar os outros o que tem sido a base da minha vida.

 

Que faz no presente e que projectos para o futuro?

Sou presidente do CDR Águias de S. Gabriel e sou funcionário público. No futuro pretendo continuar no associativismo e contribuir para outras situações que apareçam em torno da sociedade.

CAIXA DAS PALAVRAS

 

Um destino:

Portugal

 

Um Livro:

A Bíblia

 

Uma Música:

Beatles

 

Um Ídolo:

Não tenho

 

Um prato:

Cozido à Portuguesa

 

Um conceito:

Conseguir andar por cá e ajudar os outros

 

 

 

 

 

publicado por Joaquim Gouveia às 16:16

Outubro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
27

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO