Entrevistas de JoaQuim Gouveia

06
Jan 18

“HOJE TEMOS UMA CONSCIÊNCIA MAIS HUMANITÁRIA”

Foto.jpg

O Dr. Horácio Pena é um investigador cultural do município de Setúbal. Teve uma infância tranquila com a aprendizagem do gosto pela leitura e pelo saber incutido pelas suas professoras do ensino primário. Frequentou o seminário e viveu num convento mas a sua falta de convicção católica impediu-o de se tornar padre. Pensa que é o Homem quem cria os seus próprios deuses. Como é otimista acredita que o mundo está em progresso e que hoje pensamos de forma mais adulta que os nossos antepassados. Gosta da obra de Eugénio de Andrade e elege “Requiem”, de Mozart, como a sua música de eleição.

 

Como foi a sua infância?

Nasci em Sintra, onde passei a minha infância até aos 10 anos. Recordo-me da frequência do ensino primário, da minha escola e das professoras que me marcaram muito positivamente. Elas despertaram em mim muito desejo e interesse pela cultura, a busca do saber. Na altura já me juntava aos grupos que gostavam de leitura. Estavam em voga os livros dos “Sete” e dos “Cinco” da Enid Blyton. Fui um bom aluno na área das letras. Lembro-me das festas anuais pelo primeiro de maio, que é a grande festa da aldeia de Granja do Marquês, onde vivia. Recordo-me que havia o cinema ambulante com projeções dos filmes nas paredes caiadas.

 

O primeiro amor...

Foi a leitura.

 

O primeiro emprego...

Na Câmara de Setúbal. Comecei por ganhar sete contos e quinhentos.

 

Como é a sua casa? Como a define?

O meu reduto. O local mais importante depois de um dia de trabalho. É uma casa acolhedora, com o conforto necessário.

 

O que pensa do mundo?

Como sou otimista penso que o mundo está em progresso. Hoje pensamos de uma maneira mais adulta do que os nossos antepassados, temos maior consciência que aqueles que nos antecederam. Temos uma consciência mais humanitária.

 

Sente-se realizado humana e profissionalmente?

A realização é como o mundo em que vivemos, é um acontecer diário. Nunca estamos realizados nem felizes mas temos momentos de realização e felicidade. Nunca nada está completo.

  

Como se resolve a crise?

Continuando uma revolução de mentalidades o que nunca aconteceu mesmo depois do 25 de Abril de 74, como lembrou o poeta Eugénio de Andrade.

 

Horácio Pena - Jovem.jpg

Deus criou o homem, ou foi o homem que criou Deus?

O Homem cria deuses. São projeções dos nossos desejos, anseios e necessidades. Temos necessidade de deuses para a nossa completude e ausência de afetos e orientações perante a dúvida existencial.

 

 

Se pudesse voltar atrás o que mudaria na sua vida?

Regressaria às minhas ambiências religiosas (voltaria ao seminário e ao convento).

 

O que faz no presente e que projetos tem para o futuro?

Sou técnico superior do departamento de cultura do município de Setúbal. Faço investigação histórica. No futuro quero voltar a ler muito.

 

CAIXA DAS PALAVRAS

 

Um destino

Norte de Portugal

 

Livro

A obra de Eugénio de Andrade

 

Uma música

Requiem (Mozart)

 

Um ídolo

Não tenho

 

Um prato

Bacalhau cozido com batatas

 

Um conceito

Respeito

 

 

 

publicado por Joaquim Gouveia às 17:47

Janeiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO