Entrevistas de JoaQuim Gouveia

28
Out 18

Foto.jpg

 

“SOMOS ATORES NA ESCOLA DO MUNDO”

 

João Leonardo dá pelo apelido artístico de João da Ilha, músico e cantor bem conhecido na região e nos Açores, de onde é natural. Teve uma infância feliz junto da família da qual tem enormes recordações de carinho e bem estar. Começou a trabalhar na área do espetáculo a fazer som para músicos e bandas. Do mundo tem a ideia de que é um lugar de aprendizagem sendo nós os atores na própria vida. Para si há algo que nos rege, um ser superior que nos criou a que muitos chamam de Deus. Aos 37 anos ainda não se sente completo e sabe que tem muito caminho pela frente para desbravar. O seu destino de eleição é a Nova Zelândia e o cantor Sting é o seu ídolo.

 

Como foi a sua infância?

Nasci na Ilha Terceira, nos Açores. Tive uma infância feliz com os meus pais e com os meus irmãos que são bastante mais velhos que eu. Tenho memórias da escola primária e das brincadeiras de rua. A vida era pacata. Vivia-se bem. Tinha tudo ao pé de casa. Andávamos a pé para todo o lado. Tenho boas memórias da minha casa e dos momentos fraternos e de carinho entre família. Lembro-me de aos domingos, ao final da tarde, ouvir fado ou música regional com o meu pai.

 

O primeiro amor…

O amor está sempre a acontecer. Deve ter sido no ciclo preparatório com uma miúda da minha turma que era bem vistosa e muito cobiçada. Acabei por não ter sorte.

 

E o primeiro emprego…

A fazer som para espetáculos. Ganhávamos à peça, talvez 50 euros por espetáculo.

 

Como é a sua casa? Como a define?

É pequenina e acolhedora e fica na Urbisado. É um ponto de passagem. Não a vejo como futuro. Não é relevante falar desta casa. Para já é o meu recanto. Gosto muito da zona.


O que pensa do Mundo?

O mundo é uma grande escola e também é uma grande peça de teatro e nos vários papéis que desempenhamos estamos a fazer grandes aprendizagens de vida. Somos atores no sentido em que temos várias vivências para experienciar.

 

Sente-se realizado humana e profissionalmente?

Não me sinto completo. Tenho caminho para andar e muito para aprender tanto no plano pessoal, como profissional. Mas estou contente com o que tenho feito.

 

Como se resolve a crise?

Há muito para fazer mas começa por nós, na nossa casa. Diria que as várias crises que se vivem têm que ser vistas aos olhos do que fazemos no dia a dia. Temos que olhar primeiro para nós próprios e sermos coerentes connosco e com os outros. Há muita falta de coerência.

 

Foto criança.jpg

 

Deus criou o Homem, ou foi o Homem quem criou Deus?

Acredito que alguém nos criou, algo superior a nós. Podemos chamar Deus, ou outro nome. Há uma entidade superior que nos rege. No tal teatro da vida o Homem tem criado muitos deuses.

 

Se pudesse voltar atrás o que mudaria na sua vida?

Não tenho receio de dizer que mudaria o facto de que gostaria de ter vivido algumas situações mais intensamente, estar mais atento à vida. Às vezes adormecemos um pouco na própria vida.

 

Que faz no presente e que projectos para o futuro?

Sou cantor, músico e compositor. Faço intervenções musicais hospitalares integrado num grupo de músicos profissionais intervenientes. Acabei de gravar o meu quarto trabalho discográfico que tem o título “Mares da Indecisão”. Pretendo num futuro breve colocar em prática mais projetos diferentes.

CAIXA DAS PALAVRAS

 

Um destino:

Nova Zelândia

 

Um Livro:

A Pérola (John Steinbeck)

 

Uma Música:

Oxalá (Madredeus)

 

Um Ídolo:

Sting

 

Um prato:

Comida vegetariana

 

Um conceito:

Para a frente é que é caminho

 

 

 

publicado por Joaquim Gouveia às 20:06

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Outubro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
27

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
arquivos
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO