Entrevistas de JoaQuim Gouveia

08
Nov 18

Foto.jpg

 

"O MUNDO É UMA JANELA DE OPORTUNIDADES"

 

Maria João Camolas é desde muito nova uma ativista em prol dos valores da amizade, da solidariedade e do associativismo. No presente preside às Festas das Vindimas de Palmela, sua terra natal da qual guarda enormes recordações dos tempos de criança quando brincava pelas ruas da vila e corria atrás das carroças que na altura ainda marcavam presença visível. Recuperou a casa dos seus avós e é com um sorriso rasgado que diz que é por lá que agora os seus filhos crescem no seio de uma família feliz. Acredita que o mundo é uma janela de oportunidades e que foi Deus, quem criou o Homem. Gostava de visitar o Oriente e gosta de comer pastas e risotos com vinho de Palmela..

 

Como foi a sua infância?

Nasci no antigo hospital de Palmela. A minha infância foi muito feliz e isso devo a toda a minha família. Tenho ótimas recordações da escola primária com a professora Ana Maria, de quem era vizinha e com quem ia todos os dias para a escola. Ela chamava-me de D. Joaninha. Era boa aluna, divertida e sempre muito amiga. Tinha muitas brincadeiras com os amigos pelas ruas de Palmela. Naquela altura ainda haviam carroças na vila e quando regressavam dos trabalhos no campo corríamos para aproveitar a boleia. Lembro-me bem dos Verões quentes e dos dias intermináveis. Nos Santos Populares íamos de porta em porta e pedíamos uma esmolinha para o Santo António, para fazer o arraial na Rua, os tradicionais petiscos e pular a fogueira. Antigamente fazíamos muitos mandados, lembro-me de ir comprar o pão ao Solas e o Leite ao Maurício (deve ter sido a ultima leitaria em Palmela), vezes sem fim.

 

O primeiro amor…

Foi por um amigo de infância. Hoje somos amigos. Cada um seguiu o seu caminho.

 

E o primeiro emprego…

Na Sociedade Cruz & Companhia S.A., do sector vitivinícola, em Olhalvo-Alenquer. Na altura deveria ganhar aproximadamente 700 euros mais o carro da empresa. Fazia o controlo de qualidade da produção e laboratório.

 

Como é a sua casa? Como a define?

É o melhor do mundo, o meu porto seguro. Consegui recuperar a casa dos meus avós que é onde vivo atualmente. Foi ali que a minha mãe e a minha tia nasceram, onde eu, o meu irmão e os meus primos fomos criados e onde os meus filhos crescem. Tenho excelentes memórias das várias vivências de muitas gerações familiares e que deixam saudades.


O que pensa do Mundo?

É uma janela de oportunidades. Gosto sempre de ver a parte boa das coisas. O mundo é um lugar sem igual, mas onde ainda temos muito por fazer, tem muito para ser trabalhado e melhorado e, sobretudo, precisa de se humanizar mais. O mundo é um lugar de recursos naturais e precisa de pessoas humanas e participativas para que seja um lugar melhor. O mundo necessita de amor, justiça e verdade.

 

Sente-se realizada humana e profissionalmente?

Sinto-me realizada mais humanamente do que profissionalmente porque acho que ainda tenho muito para dar. Sinto um desassossego interior que me faz aprender e caminhar mais. Espero ter uma vida longa que me permita concretizar objectivos e alguns sonhos, mas acima de tudo que me permita ser útil aos outros.

 

Como se resolve a crise?

Com pessoas capazes e com uma vontade grande de resolver a crise.

 

Foto criança.jpg

 

Deus criou o Homem, ou foi o Homem quem criou Deus?

Acredito num Deus maior. Sou católica e penso que Deus criou o Homem.

 

Se pudesse voltar atrás o que mudaria na sua vida?

Acho que não mudaria nada porque sinto que está tudo bem feito.

 

Que faz no presente e que projectos para o futuro?

Sou técnica de certificação de vinhos na CVR-Península de Setúbal, responsável pela Câmara de Provadores, confrade da Confraria do Moscatel de Setúbal, presidente da Associação das Festas de Palmela-Festas das Vindimas, vice-presidente da Assembleia Geral da Sociedade Filarmónica Humanitária e membro da Assembleia Municipal de Palmela. O futuro a Deus pertence, mas gosto da ideia, de poder continuar a trabalhar em prol do associativismo e da minha comunidade.



CAIXA DAS PALAVRAS

 

Um destino:

Coreia, Vietname, Tailândia, Laos, Camboja, Tibete

 

Um Livro:

Comer, orar, amar (Elizabeth Gilbert)

 

Uma Música:

Não deixe o Samba Morrer (Maria Rita)

 

Um Ídolo:

A família

 

Um prato:

Pastas e Risotos e um bom vinho de Palmela

 

Um conceito:

Viver como se fosse morrer amanhã, aprender como se fosse viver para sempre

 

 

 

publicado por Joaquim Gouveia às 12:27

Novembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO